FÁBIO DE OLIVEIRA – Previdência: atitude errada

0
80
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A administração pública repassa ao contribuinte a obrigação de resolver o problema

Uma das funções menos complexas a serem exercidas no Brasil, hoje, é a de gestor público. Não há que se preocupar com as despesas, com os gastos, com as contratações. Ao menor sinal de desequilíbrio nas contas, é só mandar a fatura para o contribuinte pagar. Foi o que aconteceu em Mato Grosso, chancelado pela maioria dos deputados estaduais, com o aumento da alíquota de contribuição previdenciária do funcionalismo e dos aposentados e pensionistas do Estado.

Ninguém aqui discute a existência ou não do déficit da previdência estadual. Há uma diferença entre o valor arrecadado e o valor pago. O que se questiona é que esse déficit tem aumentado ano após ano e a administração pública, em suas últimas gestões, pouco ou nada fez para enfrentar de fato o problema, sem que isso representasse penalizar aquele que depende exclusivamente da sua aposentadoria, fruto de décadas de trabalho, para sobreviver.

É o trabalhador quem será o responsável por organizar a sua vida, suas finanças pessoais, privando a si e seus familiares de mais recursos. É o trabalhador aquele que faz aquilo que nossos governantes deveriam fazer: gestão

Um dos argumentos usados para defender este aumento na contribuição previdenciária é a de que não havia mais nada a ser feito. Isso não é verdade, o problema é que dá trabalho fazer. No ano passado, quando a Assembleia Legislativa instalou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar justamente a questão do déficit previdenciário, graves problemas ocorridos em 2013, quando foi criado o MT Prev, foram descobertos.

O mais grave dele trata do repasse de imóveis por parte do Estado para amortizar a dívida da Previdência. À época, o governo anunciou a transferência de mais de 360 imóveis, avaliados em R$ 13 bilhões. No entanto, uma análise apurada constatou que a maior parte destes bens é composto por assentamentos, municípios, bairros, ou seja, um patrimônio que não se pode contar.

Seis anos se passaram, o problema não foi solucionado e, agora, de forma cômoda, a administração pública repassa ao contribuinte a obrigação de resolver o problema. E é o trabalhador quem será o responsável por organizar a sua vida, suas finanças pessoais, privando a si e seus familiares de mais recursos. É o trabalhador aquele que faz aquilo que nossos governantes deveriam fazer: gestão.

O que a sociedade espera de um gestor quando o elege é, entre outras coisas, competência para resolver os problemas da administração pública e eficiência para não causar prejuízos aos trabalhadores. Infelizmente, mais uma vez, o que se nota é a solução mais simples, transferir décadas de má gestão, de graves falhas, para quem tem menos culpa por isso: o cidadão.

 

FÁBIO DE OLIVEIRA é advogado, contador e mestre em ciências contábeis.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui