Fenômeno La Niña pode ocasionar uma das maiores estiagens dos últimos 30 anos no Pantanal em MT

0
524
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por José Pereira, TV Centro América

Fenômeno La Niña pode ocasionar uma das maiores estiagens dos últimos 30 anos no Pantanal em Mato Grosso — Foto: TV Centro América

As cheias que inundavam pastagens e vegetações no Pantanal de Mato Grosso não aconteceram esse ano. De janeiro até maio, o volume de chuvas ficou 50% abaixo do normal.

Segundo os meteorologistas, está previsto para este ano o fenômeno chamado La Niña, que pode ocasionar em uma das maiores estiagens que já tivemos nos últimos 30 anos.

Falta de chuvas preocupa produtores do Pantanal

Lagoas e rios estão cada vez mais baixos. O medo de quem cria os animais é que eles atolem ou que morram de sede. O que mais preocupa é que o período de estiagem só está começando. O pecuarista Carlos Augusto da Silva Filho vive há 39 anos na região e diz que esse ano vai ter prejuízo.

“Eu vivo aqui 39 anos, essa sem sombra de dúvidas é uma das piores secas que eu estou presenciando e o que a gente nota é que vai ter prejuízo por causa da falta de água. Este ano, nós vamos ter como prejuízo a mortandade do gado, o enfraquecimento sendo combatido com ração, um sal de melhor qualidade que o custo é bem maior do que a gente está acostumado, e com isso, a gente vai ter reflexo dessa seca no ano que vem, porque a reprodução vai ser tardia e bem menor da média”, afirma.

Além da seca, os aceiros precisam ser feitos para tentar prevenir o fogo, mas com a estiagem, é difícil devido a abundância de pastagem. Se ocorrer incêndios, por mais que a área esteja protegida, ele vai entrar na propriedade e queimar a pastagem. Assim, os animais não vão ter alimento e os proprietários vão ter que gastar mais com ração.

Com as altas temperaturas, o tempo seco traz outra preocupação. O número de focos de calor teve um aumento de 186% com relação ao ano passado. De janeiro até maio, já são quase 2.200 registros. Segundo o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Carlos Roberto Padovani, conta que a região sofre com a falta de chuvas há dois anos e por fenômenos climáticos esperados para 2020.

“Esse período de estiagem severo não são eventos inéditos na região do pantanal. Estiagens como essa a gente já vivenciou desde 1.900. Ela também tem outra característica, de que depende do ano anterior. Como em 2019 também foi um ano relativamente mais seco, o acúmulo de falta água acabou intensificando e vai continuar, porque esse ano alguns meteorologistas estão prevendo o fenômeno La Niña que traz estiagem para a região”, afirma.

Segundo os meteorologistas, o La Niña influencia na quantidade de chuvas em todo o Brasil. Na região Centro-Oeste, o La Niña pode provocar a diminuição das chuvas ou uma grande instabilidade climática. Essa instabilidade pode ocasionar na demora do período das chuvas, que normalmente começa em outubro e vai até março do outro ano.

No ano passado já tivemos uma seca severa com chuvas que começaram tardiamente e esse ano é provável, que isso venha a se repetir. Essa sequência de dois anos pode consolidar uma das maiores estiagens que já tivemos nos últimos 30 anos.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.