VICENTE VUOLO – Equador prioriza o VLT

0
59
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Preocupação maior do governo foi com a poluição gerada pelos carros

Mais uma cidade da América do Sul implantou o sistema de Veículo Leve sobre Trilhos. Cuenca, localizada na Cordilheira dos Andes, com cerca de 600 mil habitantes (menor que Cuiabá) inaugurou este ano, em meio à crise do COVID-19, a primeira linha do VLT com pouco mais de 20 km com o preço da passagem cobrado de R$ 4,30.

Cuenca é a capital da província de Azuay, situada na serra, os “Highlands” do Equador, com 2.550 metros acima do nível do mar. O seu centro histórico foi declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 1999. É um renomado polo de produção dos Chapéus-Panamá.

A preocupação maior do governo municipal foi com a poluição gerada pelos carros e os ônibus a diesel. A fumaça preta dos ônibus poluentes afeta diretamente os pedestres e causam doenças gravíssimas que levam à morte.

Para o engenheiro civil formado pela USP, Guilherme Chalhoub Dourado, Diretor de Mobilidade Urbana de Cuenca, “o Equador é um exportador de petróleo, o que faz com que os combustíveis sejam muito baratos no país.

Com 20 dólares uma pessoa paga o combustível para o mês inteiro. Então, a sensação que as pessoas têm é de que o carro tem um custo muito baixo, o que acaba estimulando o uso exagerado dos carros e uma certa despreocupação com a poluição do ar”.

A preocupação maior do governo municipal foi com a poluição gerada pelos carros e os ônibus a diesel

Diferentemente do que acontece na atual gestão do governo de Mato Grosso, onde não existe transparência em nada, falta diálogo, despreocupação com o meio ambiente e total descaso com a saúde dos pedestres que engolem esses gases tóxicos diariamente, lá em Cuenca houve um amplo debate com a sociedade sobre a mobilidade urbana.

Foram formadas várias comissões: tecnológica, financeira, jurídica e técnica, especialmente organizadas para encontrar soluções de consenso. E encontraram. A sociedade foi respeitada.

O Diretor de Mobilidade Urbana, Guilherme Dourado, está desenvolvendo uma campanha na administração municipal de Cuenca para inverter essa pirâmide da mobilidade e colocar o pedestre em primeiro lugar.

O brilhante engenheiro brasileiro afirmou: “estamos iniciando algumas iniciativas dentro do conceito de ruas completas, utilizando recursos do urbanismo tático.

Fizemos uma experiência-piloto de “Supermanzana (Superquadras)” quando fechamos a parte mais central da cidade e oferecemos uma série de atividades voltadas ao pedestre.

Estamos trabalhando em um Plano de Mobilidade Sustentável 2020-2030 que deve ficar pronto até o final deste ano e que inclui todos os itens em direção a uma cidade mais humana.”

É um exemplo bem próximo. Um bom exemplo de como podemos respeitar a população e modernizar a infraestrutura de mobilidade ao mesmo tempo. No caso equatoriano, respeitaram a população incorporando-a no processo de planejamento e tendo ela como o eixo desse planejamento, sua saúde, seu conforto, sua segurança.

Mato Grosso precisa de um planejamento democrático e moderno, que seja respeitado e cumprido com transparência. Isso se torna mais importante agora que vamos iniciar a saída da pandemia, quando chegar a vacina. Precisamos dinamizar a economia, recuperar o tempo perdido, sem perder mais ninguém. Chegou o momento de pensar no presente, com oportunidades de emprego e renda, especialmente para as pessoas que mais foram penalizadas na pandemia. Pensar no futuro, com sustentabilidade, com saúde e com participação social é agir no agora.

É por isso que a retomada do VLT é um eixo essencial desse processo. Deixaremos de desperdiçar recursos, poderemos impulsionar programas integrados a ele, como a mobilidade urbana, o turismo e a integração com outros tipos de transporte. Tudo urgente.

Sigamos o exemplo de Cuenca, no Equador. VLT Já!

Vicente Vuolo é economista, cientista político.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.