MT tem 358 casamentos de pessoas do mesmo sexo

0
25
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
10 ANOS

Da Redação

MT tem 358 casamentos de pessoas do mesmo sexo

Mato Grosso registrou 354 escrituras de união estável entre pessoas do mesmo sexo nos últimos 10 anos, segundo a Associação dos Notários e Registradores do Estado de Mato Grosso (Anoreg/MT) com base nos dados do Colégio Notarial do Brasil. Há quase uma década, no dia 5 de maio, o Supremo Tribunal Federal (STF) reconhecia a união estável homoafetiva.

Segundo a Associação, desde a decisão, o estado registrou mais de 350 atos. Somente no ano da pandemia, em 2020, foram 27 uniões realizadas.

O ano de 2018, véspera do início do mandato do atual presidente Jair Bolsonaro, marca também o recorde da década, com 52 atos realizados. Ainda conforme o levantamento, entre 2011 e 2020 houve um crescimento de 50% nos atos praticados no estado.

De acordo com a Associação, após a chegada da pandemia, a celebração de união estável passou a ser feita também de forma online, pela plataforma oficial e-Notariado. Para realizá-la, o cidadão precisa de um Certificado Digital Notariado, emitido gratuitamente pelos Cartórios de Notas cadastrados, ou possuir um certificado padrão ICP-Brasil, o mesmo utilizado para envio do Imposto de Renda de Pessoa Física.

Com o certificado digital, o cidadão deve entrar em contato com o Cartório de Notas de sua preferência e solicitar o ato. Um link para a videoconferência será enviado para o e-mail indicado pelo usuário. Após a vídeo-chamada, na qual é realizada a identificação das pessoas e a coleta de sua vontade, o cidadão pode assinar seu documento pelo computador ou celular com um simples clique.

No Brasil, desde a decisão do STF mais de 21,6 mil escrituras de uniões estáveis entre casais do mesmo sexo já foram realizadas por Cartórios de Notas de todo o país, sendo 2.125 em 2020, ano da pandemia. O recorde nacional também foi em 2018, com 2.595 atos realizados.

A Associação explicou que, apesar do número expressivo de uniões homoafetivas, o país ainda não tem uma lei que regulamente a situação dessas pessoas. Tramita no Congresso o projeto de lei de autoria da senadora Marta Suplicy (sem partido), que altera o código civil para retirar menções de gênero em relação ao casamento e à união estável – hoje, a lei fala em “homem e mulher”.

A proposta já foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e poderia ter sido enviada diretamente à Câmara, mas foi barrada após um recurso do senador Magno Malta (PR-ES), da bancada evangélica, que solicitou que a matéria fosse votada em plenário.

O projeto foi colocado na pauta para votação em dezembro do ano passado, mas não houve quórum. Para que vire lei, o PL precisa ser aprovado nas duas Casas do Legislativo e passar por sanção presidencial.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.