PDT quer triplicar votos de Ciro em MT e vê Moro fora da disputa

0
125

Deputado não vê recuperação de ex-juiz na disputa e aponta Ciro como único candidato da 3ª via

O PDT afirmou que espera triplicar em Mato Grosso o número de votos que o pré-candidato da legenda à Presidência da República, ex-ministro Ciro Gomes, receberá nas eleições deste ano, em comparação com a performance do político no Estado em 2018.

 

Segundo o presidente estadual da sigla, deputado Allan Kardec, há possibilidade real de alcançar a meta porque Ciro reúne pautas liberais e de centro-esquerda e é o único nome que atualmente representa um equilíbrio diante da polarização existente na disputa entre o ex-presidente Lula (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL).

 

“Ciro fez 100 ml votos na eleição de 2018. A nossa meta é triplicar essa votação dele em Mato Grosso. Se ele alcançar 250 mil ou 300 mil votos, nós teremos três estaduais eleitos e um federal”, projetou Kardec.

 

O parlamentar avaliou, ainda, outros nomes que têm se colocado como opções de terceira via na disputa, como o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), e o ex-juiz federal Sérgio Moro (Podemos).

 

Se tivermos uma candidatura que vá fazer frente à polarização entre Lula e Bolsonaro, será Ciro Gomes

“Se tivermos uma candidatura que vá fazer frente à polarização entre Lula e Bolsonaro, será Ciro Gomes. Dória não vai emplacar, não vai conseguir sair dos 5%. Vai acontecer exatamente o que aconteceu com o candidato do PSDB na eleição passada”, disse.

 

“Moro tem que se explicar para a sociedade primeiro, falar o que aconteceu durante e depois da Lava Jato. Ele está totalmente isolado. Não tem apoio de nenhuma classe política, nenhum segmento empresarial. Nem a Justiça apoia o Moro”, criticou.

 

Sem chance

 

Na avaliação do pedetista, Sérgio Moro não conseguirá se manter na disputa e a sua candidatura deve “desidrata” até o final do mês de fevereiro.

 

Segundo Kardec, o ex-juiz federal perdeu o pouco espaço que havia conquistado quando Ciro recuou da ameaça de retirar a sua candidatura à Presidência.

 

“Moro não chega ao final de março candidato. Ele teve uma oportunidade de janela quando o Ciro Gomes ensaiou uma retirada de candidatura por conta da posição da bancada, e naquele momento, o Sérgio Moro lançou a candidatura dele lá dos Estados Unidos”, afirmou.

 

“Aí ele para cá dentro do Podemos que não tem chapa, não tem organização partidária. E em 15 dias, no debate que o Ciro está fazendo na sociedade, ele já alcança hoje os dois dígitos, chegando a 10%, enquanto o Moro caiu para 8% e é provável que termine fevereiro na casa dos 5%”, avaliou.

 

Candidaturas ao Planalto

 

Até o momento, seis partidos já oficializaram pré-candidaturas à Presidência da República nas eleições deste ano: o Avante com o deputado federal André Janones; o Cidadania, com Alessandro Vieira; o PDT, com Ciro Gomes; o PSDB, com João Doria; o Novo, com Luiz Felipe d’Avila; e o MDB, com Simone Tebet.

 

Outras cinco legendas já anunciaram nomes, mas ainda não oficializaram as pré-candidaturas. São elas: o PL, com Jair Bolsonaro; o União Brasil, com Luiz Henrique Mandetta; o PT, com Lula; o PSD, com Rodrigo Pacheco; e o Podemos, com Sérgio Moro.

Fonte: https://www.midianews.com.br/politica/