Poconé; Fotógrafo Izan Petterle registra Cavalhada e tenta capturar a essência do pantaneiro

0
50

Profissional traz consigo sua casa, escritório e estúdio. Tudo em um Truck Home Off Road

Foto: (Izan Petterle/Divulgação)

O fotógrafo Izan Petterle está em Poconé para a Cavalhada, que acontece no domingo (26), e muito mais do que registrar o evento, ele quer capturar a alma do povo pantaneiro com sua câmera. Um trabalho que começou com o documentário na Trilha das Águas, veiculada no canal Discovery Channel e vem amadurecendo a cada dia.

Com seu Truck Home Off Road, ele se transformou em um profissional “andante” que se aventura pelo mundo da fotografia e tem como paixão o Pantanal de Mato Grosso. Carregado de suprimentos e combustível para os locais longínquos, o veículo tornou-se um companheiro inseparável.

Não há como a sua estrutura passar despercebida. Além de uma casa sobre rodas, o caminhão concentra um escritório e um estúdio, que é montado do lado externo do veículo em poucos minutos. Como no teatro, as cortinas, no caso dele a lona verde, se abrem e o show começa.

A proposta do trabalho é explorar ao máximo os personagens da região, registrando toda brasilidade deles, exaltando o que comungam e o que diferem dos moradores dos diversos brasis abarcados pelas fronteiras deste país.

Depois de muito fotografar o pantaneiro dentro de seu habitat e costumes, agora, a ideia é tirar ele do cenário e mostrar quem é a pessoa e os detalhes que a fazem única. Quem se dispõem a participar, escolhe alguns objetos que o descrevem e até mesmo animais, como o cavalo. Aí, se posiciona sobre o fundo monocromático. O resultado é o cidadão pantaneiro como principal elemento, sem distrações ou máscaras

“Essas imagens que farei agora fazem parte de um projeto a longo prazo. Na verdade, de uma vida de documentação fotográfica do tradicional modo de vida e cultura do Pantanal de Poconé”, descreve.

Petterle, que começou a fotografar na década de 90, já tem no currículo experiências que o colocam em um local de destaque no mercado. Trabalhou para a National Geographic Brasil e, atualmente, está na Discovery Channel. Também publicou livros e ilustrou exposições.

No documentário Caminho das Águas, ele conta um pouco da sua trajetória. Lembra de quando entrou na faculdade de Medicina Veterinária e ganhou do avô uma quantia em dinheiro para comprar um fusca, um carro muito desejado na época.

Para frustração dos parentes, chegou em casa com uma máquina fotográfica e gastou o que sobrou do valor em uma viagem à cidade de Machu Picchu, no Peru. A partir daquela proeza juvenil, não deixou mais de fotografar, porém considera que passou a estudar e fazer trabalhos mais sistemáticos apenas na década de 90.

Fisgado pela luz e construção cultural do Pantanal, nunca deixou de lado a região e diz que, aos 64 anos, quer se entregar ao sonho de congelar momentos através de imagens na maior planície alagada do planeta.

O projeto é realizado por Izan Petterle com financiamento próprio e teve apoio logístico do Sindicato Rural de Poconé e do grupo Guardiões do Pantanal. Parte deste material será compartilhado no Instagram @guardioesdopantanalmt.