SUCESSO NAS REDES Conheça o piloto cuiabano que transporta globais de “Pantanal”

0
119

Guilherme Martinez, de 29 anos, leva os atores da novela de um set a outro durante as gravações

Guilherme ao lado dos atores Marcos Palmeiras e José Loreto

LIZ BRUNETTO DA REDAÇÃO Midianews Reprodução/ Instagram

Há mais de uma década como piloto de avião, o cuiabano Guilherme Martinez Pinheiro, de 29 anos, tem desde o ano passado a missão de transportar o elenco de atores do remake da novela “Pantanal”, em exibição na Rede Globo.

Guilherme tem feito sucesso usado suas redes sociais para compartilhar a empreitada e parte do dia a dia ao lado dos artistas.

Desde a estreia da novela, em 28 de março, ele conta que o número de seguidores no seu Instagram cresceu consideravelmente. Só nos últimos três meses já foram mais de três mil novos seguidores.

Além de conviver diariamente com os artistas, levando-os de um set a outro de filmagem, Guilherme fez sua estreia na telinha como dublê do ator José Loreto, que interpreta o piloto Tadeu na trama. “As cenas reais praticamente eu fiz todas. Não falei nada, eu só fiz o que faço todo dia, que é voar. Mas foi bem legal, até usei as roupas do Loreto”, conta o piloto.

Suas manobras aéreas, além de encantar os telespectadores nas cenas da novela, ganharam espaço em uma matéria sobre a trama que foi veiculada no último programa Domingão do Huck.

“Vai passar uma cena deu dando um rasante em cima da chalana no rio”, disse ele todo orgulhoso.

A função de Guilherme é indispensável para a viabilidade das gravações. Ele conta que são 2h40 de viagem entre a fazenda em que os artistas dormem para a qual onde são feitas as gravações, se o percurso foi feito de carro. Esse tempo é reduzido para 15 minutos de avião.

Uma megaprodução

A parceria teve início em 2021 quando a emissora contratou os serviços da empresa a qual Guilherme é sócio – a União Táxi Aéreo. Desde então uma aeronave e um piloto ficam a disposição do elenco durante as gravações, que são realizadas no Mato Grosso do Sul.

Ao todo, foram alugadas para a megaprodução oito fazendas na região entre Aquidauana e Corumbá, à beira do Rio Negro, com uma equipe inicial de aproximadamente 200 pessoas.

“Pessoalmente fiquei muito surpreendido com a estrutura deles. É incrível o que fazem no meio do Pantanal. Montam e desmontam o set de gravação toda hora”, afirmou o piloto, que acompanhou de perto a maioria das filmagens.

O itinerário da equipe fica restrito entre uma fazenda e outra, e em situações atípicas ou casos de emergência, para Aquidauana ou Campo Grande. Atualmente são feitas cerca de oito ou dez decolagens diárias, e Guilherme reveza a tarefa com um dos sócios.

Para os artistas está disponível uma aeronave modelo Seneca, bimotor com seis lugares – piloto e cinco passageiros.

Ao lado de ídolos

Guilherme conta que nesse período de convivência se tornou amigo dos artistas e é uma grande satisfação para ele estar ao lado de quem cresceu acompanhando pela televisão.

“Sou muito fã do Marcos Palmeira, que desde pequeno assistia nas novelas, e do Osmar Prado, que já fez mais de 40. É muito legal, bem gratificante pra gente”, diz.

Ele revelou ter se surpreendido positivamente com todo o elenco, cada um com o seu jeito.

“O Marcos Palmeira é um paizão, tudo está bom pra ele, é divertido. Me surpreendeu, tem um coração muito bom. Já o Loreto é o mais brincalhão, o molecão que a gente fala. O apelido dele é ‘Lorota’”.

“Não sei se foi muita sorte, mas o elenco que a gente atendeu foi bem legal. O pessoal é muito gente boa”, garante.

Dinâmica das gravações

Guilherme compartilhou alguns detalhes sobre a organização da equipe e a dinâmica das gravações.

Segundo ele, a Fazenda Rio Negro, cenário da primeira versão da obra, é uma das propriedades locadas para o remake, no entanto com algumas ressalvas.

“A primeira novela foi gravada inteira na Fazenda Rio Negro. Tem até hoje a casa do Zé Leôncio lá, só que as cenas internas da casa o dono da fazenda não deixa gravar dentro”.

O piloto explica que devido ao valor simbólico da construção, apenas os donos entram na casa para fazer a conservação. As cenas gravadas lá são apenas as externas.

Já as cenas na chalana com o ator Almir Sater, que interpreta o personagem Eugênio, são gravadas na fazenda Barranco Alto. Ali também são gravadas algumas passagens de Juma de Marruá, interpretada pela atriz Alanis Guillen.

A Fazenda Barra Mansa é palco das cenas em fontes e aquelas gravadas a beira do rio, além de abrigar a equipe de câmeras e áudio.

Enquanto isso, os episódios que mostram boiadas são todas gravadas na Fazenda Primavera, mesma propriedade em que os artistas e o piloto ficam após o dia de gravações.

A famosa tapera da Juma de Marruá, antes gravada na Fazenda Rio Negro, foi recriada na Fazenda Maringá.

O pessoal da direção e produção e a equipe médica ficam na Fazenda Barranco Alto; já na Fazenda Campo Novo fica a equipe de cenário e figurino e na Fazenda Vera Lúcia ficam os motoristas. Ao todo são 25 caminhonetes alugadas a disposição da equipe.

Veja: